SELLERINK BLOG
16nov/11

Controle da Cor VI

Nosso último post sobre Controle da Cor foi publicado no último dia 06.

A matéria é muito interessante, não acham? Porém é muito técnica também e trabalhamos para poder mostrar resumos que sejam facilmente absorvidos pela maioria dos profissionais gráficos.

Estamos sempre a disposição para responder os comentários ou dúvidas que chegam por e-mail, podem ficar a vontade e perguntar bastante.

Temos também um bom módulo de treinamento em colorimetria. Nos últimos ciclos de palestras aqui na Sellerink, falamos bastante sobre o assunto.

Este ano, por conta da Expoprint que é principal evento do setor e acontece a cada 4 anos não realizamos o Ciclo de Palestras, que voltará em 2011 com toda certeza.  Controle da Cor será um dos temas para o próximo Ciclo.

Mas voltando ao post, no último falamos que começaríamos a falar sobre a Diferença da Cor. Vamos começar resumidamente o assunto.

Estamos preparando uma matéria também sobre Munsell e o teste de Munsell, bastante utilizado para aferir a acuidade visual de profissionais que trabalham com cor. Será muito interessante, posso garantir. Quem quiser conhecer um pouco mais sobre o teste, teremos uma versão on line e digital no nosso stand na Expoprint. Visite-nos e procure saber mais.

Delta-E, a diferença da Cor

Qualquer estudo sobre gerenciamento de cor ou como aqui, Controle da Cor, rapidamente remeterá ao termo Delta-E. Como muitas coisas no mundo da cor, parece simples de entender inicialmente, mas quanto mais perto você olha, mas percebe que o assunto é bem profundo.

Tela do Software X-Rite Spectro utilizado pela Sellerink

Tela do Software X-Rite Spectro utilizado pela Sellerink

A Comissão Internacional de Iluminação (CIE) chama a distância métrica Δ ab * E (também chamado de Δ * E, DE *, de, ou "delta E") onde delta é uma letra grega , muitas vezes usado para denotar a diferença, e E representa Empfindung; que em alemão quer dizer "sensação".

Delta-E (DE) é um número único que representa a "distância" entre duas cores.

E o número DE 1,0 é a menor diferença de cores que o olho humano pode ver. Assim, qualquer DE inferior a 1,0 é imperceptível, e claro, DE superior a 1,0 é perceptível.

Mas não é tão simples. Algumas diferenças de cor superiores a 1,0 são perfeitamente aceitáveis e até mesmo imperceptíveis. Além disso, a diferença DE entre dois amarelos e dois azuis, como exemplo,  pode não parecer a mesma para o olho quando comparada a outras cores. Isso porque as pessoas tem percepção diferente para as cores, dependendo dos aspectos físicos de cada uma. Lembram-se dos cones e bastonetes (vide posts anteriores do Controle da Cor).

Por isso mesmo investimos em instrumentos eletrônicos para que o Delta-E possa ser apurado corretamente e ser usado da melhor maneira possível como prova na indústria gráfica. Um equipamento Espectrodensitômetro, se bem usado, elimina a subjetividade, tanto quanto possível.

Diferença X Tolerância

Se a diferença é um número que mostra a "distância" entre duas cores, a tolerância é o significado do número. Definir um nível de tolerância, como DE 1,5, define o que é aceitável e o que será rejeitado na reprodução da cor. A tolerância é definida de acordo com aspectos regionais (mundialmente falando) e de acordo com o segmento de mercado a que o produto final será entregue.

Delta-E, Delta-LCH

É comum apresentar-se somente o DE na avaliação e medição de cores. Porém, levando-se em consideração a tolerância, o Delta-L (L = Luminosidade), Delta-C (C = Chroma - distância do eixo neutro - saturação) e Delta-H (H = Hue - tonalidade) não podem ter valores maiores que a tolerância de Delta-E. Então, se a tolerância for de 1,5, e o Delta-E for de 1,5, o Delta-LCH (individualmente falando) não poderá ultrapassar 1,5, em nenhuma medição.

Diferença do suporte

É importantíssimo que a tonalidade do suporte seja observada em qualquer medição e comparação de cor. Como a sensibilidade do olho quanto a tonalidade pode ter diferença de pessoa para pessoa de acordo com a cor (especificada pelo comprimento de onda), diferenças mesmo que sutis na tonalidade do suporte podem gerar muita controvérsia.

Nestes casos, o equipamento eletrônico deve ser usado para mediar a diferença de tonalidade dos suportes também, antes mesmo de medir a diferença da cor impressa.

Luz - ponto importante

Os cálculos Delta-E são baseados em colorimetria, o que significa que são ilumino-dependentes. Não se pode comparar números calculados a partir de cores visualizadas sob iluminantes diferentes.

Se for encontrado um número diferente devido ao iluminante, teremos metamerismo (lembram-se?).

Considerações

Existem alguns métodos de cálculo de Diferença de Cores (Delta-E). Na indústria gráfica o padrão mais usado é o DE76, como estudamos, implementado pelo CIE-Lab em 1976. Existem outros métodos também, implementados pelo CIE inclusive, mas não vale a pena falar sobre isso agora.

Equipamento X-Rite Spectro utilizado pelo laboratório da Sellerink

Equipamento X-Rite Spectro utilizado pelo laboratório da Sellerink

Quando solicitado, a Sellerink apresenta relatório gráfico de Espectro para comparativos de cor. A Sellerink trabalha com sistema completo X-Rite Spectro de última geração. Porém, a Sellerink usa o método de cálculo como aproximação na definição de tolerância até que possam ser confirmados por decisões visuais. Em outras palavras, verificamos sempre todos os cálculos visualmente e levamos em consideração a opinião dos profissionais gráficos.

Sabemos que nenhum profissional gráfico aceita ou rejeita a COR por conta dos números. O aspecto visual é o que realmente importa.

Tem muito mais sobre Controle da Cor ainda. Acompanhem.

Nesta próxima quinta-feira começa a montagem da Expoprint e na semana que vem todos os nossos posts serão escritos diretamente da feira.

Depois da Expoprint voltaremos com as séries.

Obrigado.

Marcos Anghinoni - Diretor de Vendas

Fontes de pesquisa para este artigo:
Arquivos Sellerink
Chromix-Colornews, Steve Upton

Se você gostou, veja também...

A História da Indústria Gráfica on May 23rd, 2010

Controle da Cor (Post 11) on November 16th, 2011

Controle da Cor (Post 16) on November 16th, 2011

A História da Indústria Gráfica (Post X) on July 18th, 2010

A História da Indústria Gráfica (Post 13) on August 10th, 2010

Comentários (5) Trackbacks (0)
  1. Caro amigo!
    Tenho uma duvida, eu tenho um padrão de cor ideal, com uma variação de cor máximo e minimo, e tenho espectro eye-one e uso GMG Colorproof.
    Fazendo a leitura do padrao ideal, maximo e minimo, como saberei se o Delta E está correto? Como calcular?

    Vc pode me ajudar?

  2. Bom dia! Gostaria de saber a periodicidade do teste de munsell, pois aplico na minha empresa, mas não tenho certeza da periodicidade. Ou uma vez realizado nos meus funcinários eu não preciso mais aplicar?

    ATT.

  3. Adorei a página e espero muito que minha dúvida seja esclarecida.

    • Prezada Angela,

      Nós aplicamos o teste de Munsell anualmente para nossos técnicos. Acredito que seja a periodicidade adequada, porém, caso você seja necessário, por observação do supervisor do setor ou do próprio técnico, antecipamos o teste.

      Obrigado por participar do nosso blog.

      Marcos Anghinoni


Deixar um comentário


Sem trackbacks

Visualizar perfil de Marcos  Anghinoni no LinkedIn