SELLERINK BLOG
15nov/11

SOLUÇÃO DE FONTE (POST 7)

Estamos em um momento de muito trabalho, principalmente pela expansão sustentada da Sellerink em diversos segmentos da Indústria Gráfica, o que nos dá uma enorme satisfação.

Vamos, sem dúvida, continuar o nosso trabalho de divulgação de matérias técnicas, que fazem parte do nosso acervo, pesquisado durante todo tempo junto aos melhores profissionais da indústria gráfica e que temos a obrigação de tornar público, principalmente aos jovens gráficos em formação.

Além da divulgação no Sellerink Blog, todo esse material é apresentado em nossas palestras e work shops. Esse ano, por exemplo, apresentamos duas palestras na Sellerink e mais quatro palestras in-door, envolvendo os segmentos: UV-Plast, UV-Formulário, UV-Flandres, Embalagens semi-rígidas de papelcartão, entre outros.
A Sellerink está trabalhando fortemente o segmento de Flexografia UV, onde vem obtendo grandes resultados técnicos, que serã apresentados aqui também.

Aguardem para dentro em breve, matérias técnicas no capítulo que será inaugurado: Flexografia UV.
As atualizações das matérias, serão mais constantes a partir de agora.

Agradecemos por acompanharem o Sellerink Blog.

Ξ

Inter-Relacionamento da Solução de Molhagem com outras superfícies

Fonte: PAG

Solução de Molhagem – Suporte

A transferência da solução de molhagem da blanqueta para o suporte deve ser considerada de acordo com as características de absorção do suporte. No caso de suportes celulósicos (papel, cartão) a maior parte da solução de molhagem das áreas de contragrafismo é absorvida pelo suporte; se a quantidade for excessiva a estabilidade dimensional do suporte pode ser comprometida, causando problemas de registro, encanoamento e rugas. Se o suporte não conseguir absorver rapidamente a solução, sua superfície estará úmida no momento da impressão da próxima cor e comprometerá a transferência da tinta.

No caso de suportes não-absorventes (folha-de-flandres, plásticos) ocorre uma divisão do filme de solução de molhagem entre a blanqueta e a superfície do suporte e, visto que não é absorvida, parte evapora e parte permanece no suporte, interferindo na impressão da próxima tinta. Tudo isso sugere que a quantidade de solução de molhagem deve ser a mínima necessária.

Durante a impressão, o papel desprende partículas de carga mineral ou pó de refilo que se fixam à blanqueta e depois são transferidas para os sistemas de tintagem e molhagem. Dependendo do sistema de molhagem da impressora, parte deste material deposita-se na banheira de solução de molhagem alterando o pH e a condutividade da solução.

Os papéis revestidos (cuchê) têm pH superficial entre 8.0 e 10.0; os papéis não-revestidos (offsete) com colagem ácida têm pH entre 4.5 e 5.0; os papéis não-revestidos com colagem alcalina têm pH entre 7.0 e 8.0. Quando a resistência superficial do papel (resistência ao pick úmido ou seco) é limitada, a ação do tack da tinta ou o efeito do umedecimento do papel favorece o arrancamento de partículas da superfície do papel, contaminando a solução de molhagem.

Parte da solução de molhagem alimentada sobre a chapa é transferida para os rolos do sistema de entintamento e emulsiona-se na tinta na forma de pequenas gotas. Quando o filme de tinta é dividido entre a blanqueta e o papel (ou outro suporte) as gotículas são expostas, prejudicando a aceitação (trapping) da próxima tinta e produzindo aspecto “lavado” no impresso, sobretudo nos textos.

Solução de Molhagem – Papel Alcalino

Com papéis alcalinos, pode ocorrer velaturas (tingimento ou entonação) devido ao carbonato de cálcio do papel. O carbonato de cálcio tem pH acima de 7.0 e apresenta alguma solubilidade em água. Quando alimentada em excesso, a solução de molhagem pode dissolver o carbonato. O carbonato satura a solução e o excesso precipita na banheira e é transferido de volta para o sistema, contaminando os rolos e as blanquetas com uma película de aspecto leitoso; esse fenômeno é chamado de “milking”.

Quando ocorre velatura (tingimento), a primeira coisa a observar é se a solução apresenta aspecto turvo (leitoso) causado pelo carbonato de cálcio. Isto costuma acontecer repentinamente após a impressão de 1000 a 2000 cópias sem problemas, sobretudo na impressão com papéis reciclados.

O milking deixa a blanqueta leitosa nas áreas de contragrafismo. Após a impressão de cerca de 10.000 cópias, o acúmulo de carbonato na blanqueta já é suficiente para causar um relevo e, como consequência, o amassamento da blanqueta e a ocorrência de “ponto oco” devido ao alívio da pressão nas áreas de grafismo adjacentes. Outra conseqüência é o acúmulo de tinta nos rolos do sistema de molhagem, nas paradas da impressora. O acúmulo na blanqueta pode ser removido com produtos adequados.

Não existe uma única solução para este tipo de problema; cada impressora pode exigir uma ação diferente. Em qualquer caso, o pH e a condutividade da solução de molhagem devem ser mantidos sob estrito controle. Na maioria dos casos, obtém-se bons resultados mantendo-se o pH na faixa de 4.5 a 5.5 e a condutividade entre 800 µmho a 1200 µmho acima da condutividade da água.

Se você gostou, veja também...

TINTAS DE SEGURANÇA on December 12th, 2012

METALGRAFIA - ALIMENTOS ENLATADOS on May 11th, 2011

FLEXOGRAFIA SELLERINK on May 28th, 2013

Controle da Cor VI on November 16th, 2011

FLEXOGRAFIA SELLERINK on May 27th, 2013

Comentários (0) Trackbacks (0)

Sem comentários


Deixar um comentário


Sem trackbacks

Visualizar perfil de Marcos  Anghinoni no LinkedIn